• Calendário

    Maio 2015
    M T W T F S S
    « Abr   Jun »
     123
    45678910
    11121314151617
    18192021222324
    25262728293031
  • Categorias

  • Os mais clicados

    • Nenhum
  • Arquivo

  • Minas em Pauta no Twitter

Inflação: mineiros estão trabalhando mais para se sustentar

Em Belo Horizonte, o custo da cesta básica teve alta de 1,5% em relação a março e de 1,7% frente ao mesmo período em 2014.

A inflação das famílias com renda entre um e cinco salários-mínimos completou o terceiro mês consecutivo com altas acima da inflação geral.

Fonte: Estado de Minas

Inflação: cesta básica mais cara obriga brasileiro a trabalhar mais

Alta dos preços obriga brasileiro a trabalhar mais para se sustentar

Cesta básica fica mais cara, e quem ganha salário mínimo em BH já precisa de quase meio mês de serviço para comprá-la

A secretária Alessandra de Oliveira percebe que, a cada ida ao sacolão e ao supermercado, sua cesta de compras está voltando mais vazia. Para manter o padrão de consumo da família, ela está fazendo trocas, e comprando menos os produtos que mais encarecem nas gôndolas. Mesmo com o carrinho mais leve, a fatia do salário consumida com os alimentos cresce a cada mês. O que Alessandra verificou na prática, o Departamento Interestadual de Estatística e Estudo Socioeconômicos (Dieese) também constatou em pesquisa.

Em abril, o brasileiro precisou trabalhar mais para comprar a cesta básica. Mais precisamente 13 dias – quase metade do mês. Considerando o trabalhador que recebe um salário-mínimo mensal, o tempo subiu para 97h15, em Belo Horizonte. O maior desde maio do ano passado, e 2h34 a mais que em março. Desde janeiro, com a inflação mais alta, esse tempo de trabalho voltou a subir.

O custo da cesta básica na capital atingiu R$ 348,36 no mês passado, alta de 1,5% em relação a março e de 1,7% frente ao mesmo período em 2014. A cesta básica, que inclui 13 alimentos, como arroz, feijão, café, açúcar e farinha de trigo, consome na capital mineira 48% do salári- mínimo, mais que a média nacional, que tem relação de 46,6%. O cálculo do Dieese considera a jornada-padrão do trabalhador brasileiro ,de 220 horas mensais, tendo como referência para remuneração, o salário-mínimo.

Considerando uma família pequena como a da secretária Alessandra, pai, mãe e dois filhos, em que as duas crianças comem como um adulto, o trabalhador belo-horizontino gastou R$ 1.045,08 para cobrir suas despesas básicas com alimentação em abril, segundo o Dieese. “O preço dos alimentos vem subindo muito. Antes, eu gastava menos que o salário-mínimo no supermercado. Agora, estou gastando mais de R$ 780, considerando a compra semanal de carne”, diz a secretária, que pontua a alta nos preços generalizada, até nos cereais básicos do país, como o feijão.

Lucio Monteiro, técnico do Dieese em Minas, aponta que as maiores pressões sobre a cesta do trabalhador vieram de produtos sazonais, como o tomate (18,75%), a banana, única fruta pesquisada na cesta (6%) e a farinha (3%). “Com a inflação, o número de horas trabalhadas necessárias para comprar a cesta fica maior”, explica.

E o ano não dá sinais de refresco para as contas. O boletim Focus, que traz a previsão de analistas de mercado para a inflação, apontou ontem expectativa maior de inflação para 2015 pela quinta semana consecutiva. Os analistas ouvidos pelo Banco Central projetam Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) fechando em 8,31% este ano, muito acima do teto da meta, estipulado em 6,5%. Na semana passada, a previsão era de que o índice encerrasse o ano em 8,29% e, há um mês, 8,23%.

Mais pobres

No olho do dragão, quem mais faz malabarismo são as famílias de menor renda. Alessandra conta que já vem trocando a carne bovina pelo frango e, quando um produto como o tomate encarece demais, ela compra menos. A inflação das famílias com renda entre um e cinco salários-mínimos, completou o terceiro mês consecutivo com altas acima da inflação geral da capital, medida pela Fundação Ipead/UFMG. Em abril, enquanto o IPCA geral (para famílias com renda de um a 40 salários mínimos) acelerou 0,55%, a alta para os grupos de menor renda (de 1 a 5 salários mínimos) foi de 0,75%.

Gastos com energia elétrica, leite pasteurizado, lanches e telefonia móvel foram as principais pressões nas despesas das famílias de menor renda. Thaize Martins, coordenadora de pesquisa da Fundação Ipead, diz concordar que a inflação em 2015 deve fechar acima do centro da meta prevista pelo governo. “Em maio, a inflação vai captar o aumento da tarifa de água. Há também o reajuste dos planos de saúde. No fim do ano, também acontecem pressões tradicionais de alta em alguns alimentos”, pondera.

Na variação em 12 meses, os produtos com maior elevação no preço médio na cesta básica de Belo Horizonte foram o tomate (22,30%), a carne (9,66%) e o feijão (8,37%). Considerando o último ano, a batata (-44,8%), a banana (-7,45%) e a manteiga (-1%) somaram as principais contribuições positivas para o bolso na cidade.

Há pouco mais de dois meses, a dona de casa Tânia Saranso mudou-se do interior de São Paulo para Belo Horizonte. Ela comenta que está sentindo muito a alta do custo de vida na capital em relação ao interior, mas lembra que o aumento de preços é geral e ocorre em todo o país. Em 12 meses, a inflação de Belo Horizonte, medida pelo Ipead/UFMG, acumula alta de 4,67% em 2015. No mesmo período, o custo de vida rompeu o teto da meta de 6,5% do governo federal, e já atinge 8,13%.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: